quarta-feira, 27 de setembro de 2017

(19/09/2017) Dia a Dia


          Saí tão pouco nesse ano, que qualquer desculpa é motivo para eu me emperiquitar. O motivo da vez foi uma promoção de lanches numa hamburgueria perto de casa.
          O americano estava só R$7,50, era grande e estava uma delícia. Apesar de ser só o básico de pão, salada e ovo, o pão era muito bom e eu quero replicar a maionese de ervas. A batata estava sem graça e queimada, mas, fazer o que?
          Depois, passei na casa de doces caseiros e comprei um bom-bocado pra comer durante o filme. Como o cinema foi reformado, pude comer meu bolo mais do que confortavelmente na cadeira onde cabe uma Karine de anágua e meia.
          Achei o filme ótimo, apesar de corrido. Passei o tempo todo tensa, mas não por causa do terror, pelos abusos. Para mim, é a parte realmente assustadora por ser real. Também é  a categoria dos meus medos em vez de qualquer criatura ou coisa.





Meats Hamburgueria e Dogueria / Cine Atibaia - Atibaia / SP




Lentes Color Vision Verde
It's Skin Babyface BB Cream Silky
Luisance Delineador Líquido Preto
Abelha Rainha Máscara Tridimensional
Gloss Labial Vermelho

Tiara - Body Line
Peruca - Off Brand
Vestido - Renner
Cinto - Off Brand
Bolsa - Innocent World
Meia-Calça - Marisa
Sapato - Tanara Brasil
Acessórios - Off Brand  Self-Made

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Rótulos Vintage


          Meu nome é Karine e eu sou viciada em potes de vidro.
          No início eu era só a louca dos temperos, mas temperos exigem potes, e quando você descobre o quanto potes de vidro são bons para guardar comida, você quer guardar tudo neles. A meta passa a ser não ter que usar sacolinha ou prendedor de roupa. Logo, até as sacolinhas e prendedores de roupa têm seu próprio pote.
          Como atualmente estou passando dos 50 potes e mais da metade deles é de condimentos de aparência idêntica ou de alimentos que deixam cheiro e por isso exigem que o pote seja só daquele alimento, só escrever com canetinha de qualquer jeito no fundo do vidro se tornou isuficiente.
         Já que teria que arranjar algum tipo de rótulo, eu quis fazer artesanalmente para ser uma terapia ocupacional, então, pesquisei alguns simples e comecei pelos potes de petiscos.
          Torrada, pão de mel e biscoito de polvilho é o que mais comemos aqui em casa, então, ganharam rótulos só para eles, mas também colei "salgado" e "doce" na parte de trás para o caso de precisar guardar outra coisa depois.
          Agora, faltam os de temperos e de grãos e pós (arroz, açúcar...).



quarta-feira, 13 de setembro de 2017

(07-08-09-10/09/2017) Feriadão


          Eu noto que a minha vida mudou mesmo quando me vejo embarcando num programa praia + churrasco. O que não fazemos pelas pessoas que amamos, né?
          Gracinhas à parte, a viagem foi boa.
          Chegamos quinta à noite em Itanhaém, que, como a primeira foto  mostra, é uma cidade com construções e casas antigas assustadoras. Passei por uma casa que parecia a versão BR do Massacre da Serra Elétrica! Se não fosse o grande número de turistas, eu me sentiria mesmo num filme de terror.
          Ficamos na casa dos avós do Vitor, um verdadeiro albergue de praia, com um monte de quartos, banheiros, ar-condicionados e camas. Dava pra receber umas 20 pessoas brincando ali. Ele foi mais do que gentil em fornecer carona, estadia e comida (brigadão, miga!).
          Fui preparada com protetores 60, biquíni pequeno e sem tiras (não curto marcas de sol) e planejando meticulosamente horários seguros para evitar queimaduras (histórico tenso com queimaduras de 2° grau), mas, no fim, não foi necessário, pois o sol esteve tímido e mal fez calor (média máxima de 25°C). Nem cheguei a ficar marcada.
          O que eu gostei mesmo foi das noites. Tudo, de lojinhas de biju à barraquinhas de comida, ficam abertas no mínimo até meia noite e a comida é barata.
          Encontrei uma feirinha que parece ser só de coisas que a natureza dá, mas tem uma tela especial nos fundos que termina em um beco com vários trailers de comida. E não eram trailers estilo food truck gourmet, eram trailers raiz, daqueles que você sente medo de cotrair algo comendo, mas vale o risco porque aquela gordura toda é estranhamente atraente e as porções cavalares custam R$10.
          E na volta pra casa ainda me apresentaram o Zé do Hambúrguer, uma lanchonete vintage de encher os olhos. O lugar é lindo. Até tem mesa em forma de carro! E que batata com queijo gratinado foi aquela?! Eu dividi com o pessoal, mas acho que teria comido uma sozinha de tanto que gostei (é maior do que aparenta na imagem). Preciso voltar só pra ver se isso é aplicável.












Itanhaém / SP
Zé do Lanche - São Paulo / SP

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Atualização de Setembro


          Legging Camuflada Cinza - Off Brand - Feira
          Legging Camulfada Verde - Off Brand - Feira
          Colete Cropped Preto - Off Brand - Brechó
          Vestido Vintage Preto - Renner - Brechó
          Bolsa Guitarra Dourada - Rock'n' Roller Coaster - Disney


          Body Listrado Preto - Off Brand - Enjoei
          Biquíni Preto - Off Brand - Mitie Lingerie
          Body Batman - Off Brand - Art Fantasy


          Sabonete Líquido Segredo Sedutor - Palmolive - Padron Perfumaria
          His Babe Body Lotion - I Love Charming - Perfumaria Sumirê
          Snail Recovery Gel Cream - Mizon - Ebay - F2Plus1
          Clean Dew Foam Cleanser Moist & Soothe - Tony Moly - Ebay - Biz-Inside
          I Need You Alphabet Aloe Mask Sheet - Etude House - Ebay - Biz-Inside
          Aloe 90 Soothing Gel - Mizon - Ebay - Biz-Inside